Tratamentos

Conheça os tratamentos que realizamos:

Perguntas Mais Frequentes

Não, este é um conceito antigo. Atualmente, preconiza-se operar a catarata o mais breve possível desde que o paciente tenha sintomas (borramento visual, visão dupla, etc) pois com técnicas atuais temos boa segurança e mais precoce reabilitação visual no pós-operatório com menor trauma cirúrgico.

Atualmente, não se recomenda aguardar os 7 anos como anteriormente. No primeiro ano de vida já é possível excluir doenças graves como catarata, glaucoma e tumores intra-oculares. Obviamente, não é um exame de grau preciso, mas a preocupação nesta idade é realmente excluir problemas que possam comprometer o desenvolvimento visual.

Não, não há comprovação de danos pela radiação transmitida pela TV. Entretanto, este é um forte indicativo da existência de grau de óculos a ser corrigido. Por exemplo, o paciente com miopia alta fica bem próximo do objeto que deseja ver devendo ser examinado o mais breve possível.

Não, estes colírios tratam somente a consequência do problema e não a causa/origem, além disso, tendem a viciar uma vez que o paciente acaba por utilizar cronicamente assim que passa o efeito. Geralmente, são passados entre parentes, vizinhos ou conhecidos. O correto é avaliar a causa do problema pelo médico especialista (oftalmologista).

Sim, entretanto, a cirurgia proposta é através do implante de anéis na córnea para torná-la menos deformada e assim facilitar a correção com óculos ou lentes de contato. Portanto, a cirurgia não tem como objetivo enxergar sem óculos e sim melhorar a qualidade da imagem com eles ou lentes de contato. Além disso, temos ainda o CROSSLINK que é o mais atual tratamento proposto para evitar a progressão do ceratocone, preservando assim uma melhor visão.

Soro fisiológico ou água filtrada podem ser utilizados de rotina sem efeitos colaterais. Se possível evitar o uso da água boricada, pois algumas pessoas têm alergia ao ácido bórico presente nesta substância. Se persistir a irritação, o ideal é consultar seu oftalmologista.

A cirurgia a laser é muita precisa e seguro, entretanto, existe sim o risco embora mínimo do grau retornar. Nestes casos. é possível reavaliar a possibilidade de um retoque cirúrgico através de exames detalhados.

O glaucoma é uma doença ocular que acomete o nervo óptico e não é contagiosa. O ideal é fazer um tratamento rigoroso para reduzir a pressão intra-ocular que é a principal causa de evolução da doença.

O glaucoma é uma doença silenciosa, isto é , provoca danos primeiro na periferia do campo visual e somente no estágio final há a redução da visão central. Sendo assim, o preciso controle da pressão intra-ocular é fundamental para evitar cegueira a longo prazo, pois esta é irreversível. 

Atualmente, a cirurgia de catarata é realizada através da técnica denominada ultrassônica. Consiste em uma microincisão corneana de 2 a 3mm através da qual uma “caneta” de ultrassom é inserida e a catarata é emulsificada e aspirada através da mesma. Após sua completa remoção, uma lente intraocular é implantada para restaurar o foco ao paciente.

Entretanto, no Congresso Europeu de Catarata e Cirurgia Refrativa que ocorreu em setembro de 2009 em Barcelona, uma nova técnica para a cirurgia de catarata está em desenvolvimento. Consiste na aplicação de um laser chamado laser de fentosegundo em algumas etapas da cirurgia para facilitar sua extração, porém, ela sozinha não é capaz de completar todo o procedimento.

O cristalino tem como função focar os raios de luz na retina resultando em uma boa visão e com o desenvolver da catarata (opacificação do cristalino) e piora da visão, este necessita ser removido durante a cirurgia, sendo removida também a capacidade de focar a imagem. Portanto, torna-se imprescindível introduzir uma nova lente chamada de lente intraocular permanente para ajustar o foco, caso contrário, o paciente necessitará utilizar uma correção óptica (óculos ou lentes de contato) de alta graduação (antigamente chamado “óculos fundo de garrafa” ).

A Aberrometria Ocular é o exame que mede as aberrações ou distorções sofridas pela luz ao entrar no olho até atingir a retina onde a imagem é captada. A importância desde exame é o conhecimento da qualidade da visão percebida pela paciente, pois além do grau geralmente corrigido com os óculos existem imperfeições que atrapalham a resolução da imagem. Esta tecnologia é muito útil nas cirurgias refrativas (grau) e nas cirurgias de catarata, sendo de extrema importância no planejamento cirúrgico.

Não devemos dormir com as lentes de contato pelo risco de infecção corneana que é grave e pode trazer sequelas irreversíveis à visão. A córnea depende do oxigênio do ar atmosférico para sua nutrição, por essa razão as lentes possuem um índice de transmissibilidade ao O2. Entretanto, ao ficarmos com as pálpebras fechadas durante o período de sono, impossibilitamos completamente sua nutrição e consequentemente aumentamos a chance para infecção.