Cirurgia de Ceratocone

Cirurgia de Ceratocone

O Ceratocone é uma doença que possui contra-indicação absoluta para operar e eliminar o grau a laser, como feito para miopia, astigmatismo e hipermetropia devido à deformação de sua anatomia e imprecisão da resposta cicatricial.

Entretanto, existem alguns procedimentos cujo objetivo principal é melhorar a qualidade óptica do imagem percebida pelo paciente, sendo assim temos:


IMPLANTE DE ANEL CORNEANO

É um procedimento relativamente rápido e muito seguro no qual se implanta um segmento de anel na espessura corneana com auxílio de laser de femtosegundo, podendo ser removível se necessário. Este é um procedimento indolor, realizado sob anestesia local com colírio apenas e tempo de duração de aproximadamente 15 minutos e alta imediata do centro cirúrgico exclusivamente oftalmológico.

Em geral, a recuperação é mais rápida com melhora da visão em poucos dias, todavia, existem casos que a melhora não é tão perceptível.

Objetivo:
Restaurar ou melhorar a deformação causada pelo ceratocone para que depois do procedimento os óculos e/ou lentes de contato proporcionem uma melhor visão.

Indicação:
Ceratocone fase intermediária e/ou avançada na qual a a visão não melhora com óculos e/ou lente de contato


CROSSLINK

Este é um procedimento realizado também sob anestesia local, onde um colíirio de riboflavina (vitamina B12) é instilado a cada 3minutos por 30 minutos e em seguida o paciente é orientado a olhar em direção a uma luz ultravioleta por 30 minutos. Não há cortes, dor ou qualquer desconforto local durante o procedimento.
Em geral, a recuperação visual é mais lenta podendo demorar de 4 a 8 semanas.

Objetivo:
Fortalecer a córnea para que não se modifique ao longo do tempo, estabilizando assim o ceratocone, ou seja, feita para evitar a progressão da doença. NÃO É FEITA PARA REDUZIR GRAU.

Indicação:
Evidência de progressão do ceratocone e em casos de ectasia corneana pós cirurgia de grau.


TRANSPLANTE DE CÓRNEA

Esta é uma medida utilizada nos casos avançados de ceratocone cujos tratamentos prévios não tiveram sucesso. Consiste na troca da córnea doente do paciente com ceratocone por uma sadia de um paciente falecido sem doença corneana. É realizada em ambiente hospitalar com anestesia geral ou local.

O transplante não tem a intenção de livrar o paciente dos óculos e sim restaurar uma melhor visão após a cirurgia utilizando ou não correção (óculos e lentes de contato).

Uma das maiores preocupações é a presença de rejeição ao transplante, sendo assim, todo o cuidado deve ser feito no período pós-operatório que normalmente se extende ao redor do primeiro ano.

Antigamente, se trocava toda a córnea chamado de transplante TOTAL, hoje existem técnicas que diminuem a chance de rejeição por efetuar uma troca parcial e não total, chamada de transplante LAMELAR, sendo uma excelente alternativa com recuperação mais rápida.